Pela fronteira no # Vietname

Há momentos que nos marcam para sempre. Para o bem e para o mal. Esses momentos podem ser grandes acontecimentos como o nascimento de um filho, o nosso casamento, o realizar de um sonho, ou podem ser coisas muito pequenas. Tão pequenas que acreditamos dali a um mês não tenham mais impacto. Não é o caso. Nunca mais nos meteremos num autocarro da mesma forma descontraída depois desta viagem que fizemos entre o Laos e o Vietname.

No dia seguinte ao casamento do Tock onde exageramos na bebida, acordamos cedo eram 6 e tal da manhã para apanhar um autocarro para Dien Bien Phu, cidade no norte do Vietname, perto da fronteira e palco de uma grande batalha na guerra da Indochina. Acordamos não só de ressaca mas também exaustos pelas únicas 3 horas de sono, pensamos em não ir. Mas a cidade em que estávamos era pouco interessante e já estávamos lá há 4 dias, não íamos aguentar mais um e por outro lado o Vietname chamava por nós.

Sabíamos que não ia ser fácil. A viagem que fizemos desde Luang Prabang até essa cidade no Laos tinha-nos preparado para isso. 6 horas para 150km com mais de 6 paragens, para irem à casa de banho no meio da floresta, para comprar laranjas, para almoçar e para o motorista fazer negócios pelo caminho. Esta viagem ia demorar 8 horas e ainda tínhamos uma fronteira pelo meio. Se fosse hoje não teria ido naquele dia.

Entramos no autocarro e o rapaz que cobra os bilhetes disse logo onde nos tínhamos que sentar, olhamos e não há sítio para por os pés, a parte de trás do autocarro vai cheia de caixas e atiram para lá a nossa mochila da roupa, a do material vai connosco, e debaixo dos bancos cabem mais caixas, e sacos. Os meus pés vão em cima de uma caixa. O Ivo senta-se ao pé da porta. O autocarro não vai cheio. Entram mais duas viajantes francesas, uma filha de pais portugueses rapidamente se inicia numa conversa connosco que ajuda a passar o tempo. Tentamos dormir, mas com as curvas e o constante buzinar do autocarro à espera que entre mais gente torna-se difícil.

E vão entrando mais e mais pessoas. O autocarro tem 15 lugares mas estamos lá dentro 24 pessoas. A nossa frente um senhor vai praticamente sentado no colo de duas raparigas, outros sentam-se em cima dos sacos cheios de conchas e outras coisas que levam lá, outros vão a pé. Mais curvas e curvas. Até que estão três pessoas já a vomitar no autocarro: uma pela janela fora, outra fazendo imenso ruído, e a outra sou eu, silenciosamente. A dor de cabeça é constante, para não nos desmotivarmos eu não digo nada ao Ivo e ele também não me diz nada mas ambos queríamos ter mandado parar o autocarro e ficar ali na terra de ninguém e quem sabe ir a pé, ou esperar por uma boleia, qualquer coisa que fosse melhor do que aquilo. Uma mulher para se equilibrar aperta a minha perna, a mesma que olha para os pés do Ivo para ver se consegue arranjar lá um espacinho para se sentar. Se pelo menos levassem as caixas, os sacos, em cima do autocarro. O meu banco está partido e balança em cada curva, range em cada buraco. Paramos para ir às casas de banho, para almoçar e para deixar encomendas. Numa das paragens passado mais de 4 horas o autocarro esvazia um bocado e posso sentar-me ao lado da janela acabando por adormecer.

As pessoas para saírem tem que passar por cima dos bancos, umas por cima das outras.

Chegamos à fronteira. Tudo calmo, rápido e sem custos. Voltamos ao nosso autocarro do inferno que continua cheio de tralhas e cujo motorista dá subornos em bolachas aos guardas alfandegários para passar com aquilo tudo.
E rapidamente começam os recados, parar aqui e ali para entregar mercadoria. Até que chegamos ao nosso destino: Dien Bien Phu.

Fomos para o melhor hotel da cidade, uns 10€ por noite, com água quente, internet, varanda e muito limpo. Saímos para conhecer a cidade e comer qualquer coisa, já que não metíamos nada ao estômago desde a noite anterior. Sabiamos que dali nos esperavam 7 horas de autocarro para Sapa ou 10 para Hanoi. Não conseguíamos apanhar o autocarro já no dia a seguir, não tínhamos força. Ficamos mais uma noite, de sábado para domingo. Acordamos no domingo de manhã, sem luz. Perguntamos e disseram-nos que ao domingo na cidade cortam sempre a luz. Nem queríamos acreditar, esperemos que não seja assim em todo o Vietname.

E então ao final da tarde lá apanhamos o autocarro para Hanoi. Gostávamos de ter ido a Sapa, mas aquela viagem de autocarro mudou-nos e ir a Sapa implicava pelo menos mais duas viagens no autocarro do inferno. Não conseguíamos.
A viagem para Hanoi foi num sleeping bus, íamos à frente de todo e conseguimos por o iPad a carregar, enquanto isso música Vietnamita ao berros. Paramos para jantar e depois dormirmos acabando por parar só ao chegar a Hanoi. Não foi assim tão má como a outra. Serviu para nos tirar o pânico. Mas o Vietname é grande e ainda há muito caminho a percorrer.

2 thoughts on “Pela fronteira no # Vietname

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.